TÓPICOS

Espécies invasoras são o principal fator de extinção da natureza

Espécies invasoras são o principal fator de extinção da natureza


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

As espécies invasoras são o principal fator de extinção da natureza, por isso sua expansão deve ser reduzida, disse um especialista da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

O diretor do grupo da IUCN especializado em espécies invasoras, Pietro Genovesi, garantiu em solenidade que essas espécies são responsáveis ​​por 16% das extinções no mundo, percentual que sobe para 40% em combinação com outras ameaças .

Mais de 23.000 espécies em risco de extinção

Existem atualmente mais de 79.800 espécies naturais ameaçadas, das quais mais de 23.000 estão em risco de extinção, de acordo com a IUCN.

De acordo com a tendência atual, até 16% dos mamíferos e aves podem ser espécies invasoras se forem introduzidos em novos lugares.

O especialista deu um exemplo do castor, que já destruiu mais de sete milhões de hectares na Terra do Fogo, na Argentina, enquanto na África a proliferação de alfarrobeiras dificulta o acesso de muitas comunidades à terra.

Pelo menos 70.000 diques construídospor castores na Tierra del Fuego

Pelo menos 70.000 barragens construídas por castores na Terra do Fogo dão magnitude do impacto catastrófico produzido pela população descontrolada de roedores subaquáticos introduzidos em meados do século passado com a intenção de favorecer a indústria de peles. O valor foi levantado por membros da Faculdade de Agronomia da Universidade de Buenos Aires, que agora buscarão implementar políticas de gestão para conter esse fenômeno.

Os pesquisadores estimaram o comprimento cumulativo dos diques em 2.300 quilômetros, causando a inundação de cerca de 100 quilômetros quadrados.

Mais de cem espécies têm efeitos negativos na saúde

Mais de cem espécies têm efeitos negativos para a saúde, como o aguapé, planta que favorece o aparecimento de mosquitos transmissores da malária.

Em 1989, foi detectada a presença do aguapé, nativo do Equador, no Lago Vitória, localizado entre Quênia, Tanzânia e Uganda, o segundo maior do mundo, com uma área (69.484 km2). Ninguém sabe como chegou até aqui, mas o fato é que sem barreiras naturais que impedissem sua extensão e estimulassem seu crescimento pela erosão de sedimentos ricos em nitrogênio e fósforo e todo tipo de descargas não tratadas, a planta agora cobre grandes áreas do lago. “Mais de 15% de sua superfície”, garante Nyenge.

Janet Abramovitz afirma que o aguapé se espalha como uma densa manta verde com uma velocidade incomum - "uma única planta pode cobrir 100 metros quadrados em poucos meses" - e que "reduz o nível de oxigênio da água, impede a passagem de luz solar e obstrui cursos de água e portos ”. Além disso, e como se fosse uma maldição, “a planta favorece a reprodução do mosquito da malária e de outros parasitas”.

Custos para a Europa

Na Europa, as espécies invasoras custam mais de 12.500 milhões de euros anuais, lembrou Genovesi, acrescentando que "se as regiões ricas pagam um custo alto, as em desenvolvimento são ainda mais vulneráveis".

O especialista pediu a melhoria dos sistemas de prevenção e resposta rápida, incluindo erradicações, que podem funcionar especialmente em ilhas como a Nova Zelândia, onde o número de mamíferos e insetos invasores diminuiu com métodos de biossegurança.

A secretária executiva da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica, Cristiana Pasca, insistiu que o desenvolvimento sustentável envolve não apenas a conservação da biodiversidade, mas também o aproveitamento dos recursos naturais e a repartição dos benefícios obtidos.

Ele considerou que "ainda há muito a ser feito" para cumprir as metas acordadas para a preservação da biodiversidade para 2020 e incentivou os governos a agirem no curto espaço de tempo, fortalecendo, por exemplo, a regulamentação de prevenção de pragas.


Vídeo: Ameaças à Biodiversidade - Perda de Habitat (Julho 2022).


Comentários:

  1. Edric

    Eu considero, que você não está certo. tenho certeza. Escreva-me em PM.

  2. Pirmin

    Parabéns, você acabou de visitar outra ideia

  3. Boone

    Sinto muito, mas acho que você está errado. Eu posso defender minha posição. Envie -me um email para PM, vamos conversar.

  4. Maujin

    Eu nem me atrevo a chamá -lo de um artigo.

  5. Goltill

    Então, você vai abrir o tópico até o final?



Escreve uma mensagem