NOTÍCIA

Eucalipto para fabricação de celulose devasta biodiversidade

Eucalipto para fabricação de celulose devasta biodiversidade


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Para abastecer uma fábrica de celulose em Moçambique, eles vão limpar até 237.000 hectares de floresta, incluindo a ecorregião de miombo. A empresa Portucel pretende cobrir o terreno com monocultura de eucalipto para obtenção de madeira. A população empobreceu e perdeu suas terras. O Grupo Banco Mundial não deve financiar o projeto.

O que é mais importante? Ganhos multimilionários para um negócio e alguns empregos ou a inestimável floresta de Miombo?

Em Moçambique, à volta da fábrica de pasta da empresa Portucel, pretendem desmatar a floresta. O plano da empresa é plantar eucaliptos em massa - com dinheiro do Banco Mundial.

Não só a biodiversidade perde seu habitat, especialmente a população está ameaçada de perder suas terras e seu sustento. Onde as monoculturas de árvores se expandem - o eucalipto é um caso paradigmático - muitos animais e plantas desaparecem e famílias de camponeses são deslocadas.

Para abastecer uma fábrica de celulose em Moçambique, eles vão limpar até 237.000 hectares de floresta, incluindo a ecorregião de miombo. O Grupo Banco Mundial não deve financiar o projeto.

Carta

Para: Jim Yong Kim, Presidente do Grupo Banco Mundial; Philippe Le Houérou, Diretor da International Finance Corporation IFC

A fábrica de pasta da Portucel e as plantações de eucaliptos que a abastecem são uma catástrofe social e ecológica. Não financie.

Caro Jim Yong Kim,
Caro Philippe Le Houérou,
Senhoras e senhores,

Para estabelecer monoculturas para abastecer a fábrica de pasta em Ile-Namarroi, a Portucel garantiu 365.000 hectares de terras em Moçambique. Uma grande parte seria cortada nos próximos anos para estabelecer plantações de eucalipto. Entre eles, 114.000 hectares de florestas de miombo.

A IFC participa do projeto.

A população local denuncia roubo de terras, perda de seus meios de subsistência e falta de informação. Muitas pessoas empobreceram, a maneira como se abasteciam de alimentos está em perigo. Os empregos prometidos não foram criados.

As consequências ecológicas e sociais do projeto são insustentáveis. Retire o financiamento que você considera fornecer ao projeto.

Atenciosamente,

Assine aqui

As florestas secas e savanas de miombo no sul da África são um mosaico complexo de mais de 300 espécies de árvores. Das 633 espécies de aves registradas, 11 são endêmicas e não existem em nenhum outro lugar. Várias espécies de antílopes habitam a área e também há elefantes, girafas e leões.

Agora, no norte de Moçambique, eles planejam cortar até 114.000 hectares de florestas de miombo e plantar árvores de eucalipto. As consequências para a natureza são dramáticas: a biodiversidade é reduzida, os solos são degradados, o equilíbrio da água é destruído.

O projecto da Portucel em Moçambique deixa tão pouco espaço para a natureza como para a população rural. Há um estudo que descreve como famílias de camponeses perderam suas terras e meios de subsistência. Como consequência, empobreceram e não sabem onde conseguir comida. Os empregos prometidos e melhores condições de vida são apenas uma ilusão para a maioria.

A Portucel Moçambique quer produzir 1,5 milhão de toneladas de pasta na fábrica para o mercado asiático. As mudas para plantio vêm do viveiro próprio da empresa - o maior da África.

O montante a investir de 3 mil milhões de euros no projecto da pasta deixa claro que Moçambique está à procura de grandes negócios. Não é de surpreender que haja uma participação de 20% na IFC International Finance Corporation, uma subsidiária do Banco Mundial.

A fábrica de celulose e suas plantações não são o único grande projeto ambiental problemático. Ao contrário, o governo está expandindo a agricultura industrial no modelo brasileiro de forma contundente com o ProSavana.

A Portucel Moçambique já desmatou milhares de hectares de floresta. Em 12 anos, todas as plantações estariam estabelecidas, ainda dá tempo! Podemos salvar florestas valiosas.

Não se esqueça:ASSINE A PETIÇÃO AQUI


Vídeo: Startup da segunda fábrica de celulose da Fibria em Três Lagoas MS (Junho 2022).